quarta-feira, 12 de agosto de 2009

PFF (2)

Marie Curie - Como é a vida de um "eco-chato"?

Gleydson - Deve ser chata pacas! Rererererere... Dá um pouco mais de trabalho, mas recompensa. E olha que eu fico me chamando de "eco-chato", mas perto de alguns eu sou um mero batedor de carteira. Com toda essa parafernália criada por conta do "aquecimento global", acho que temos que fazer o mínimo pelo menos pra ajudar nossa casinha a não torrar de vez. Ajudar a natureza de uma forma geral não vai fazer mal a ninguém! Em Vancouver existem alguns, digamos, "incentivos" pra que você comece a ser um "eco-chato". Na maioria dos supermercados que você vai, eles te cobram a sacola; se você compra um refrigerante envasado em garrafa plástica, eles te cobram; se você compra uma cervejinha na "liquor store", eles te cobram o casco e/ou a latinha. O incentivo é que se você retornar as garrafas e latas eles te devolvem a grana. São centavos, é verdade, mas de que outra forma eles te dariam motivo pra ser "eco-chato"? Mexendo no órgão que mais dói no corpo humano: O BOLSO! Sem contar que existem lugares que você pode retornar praticamente qualquer tipo de embalagem pra reciclagem. Não se esqueça também que tem uma casquinha cobrada a mais também no combustível. MAS, se você opta por comprar um carro híbrido, você ganha um descontinho do governo. O seu passe mensal de ônibus entra no imposto de renda pra engrossar a restituição.
Pra não falar que é firula de brasileiro metido "do estrangeiro" (Rererere...) no Brasil mesmo eu já tinha comigo várias medidas dessas, como por exemplo separar os recicláveis e não jogar pilhas e baterias no lixo comum.
Recomendo muito uma olhada no filme do Al Gore - An Inconvenient Truth - (assustador!!!) e uma visita na página do cara - Climate Crisis -, especialmente na parte onde ele resume o que se pode fazer a respeito - Climate Crisis: Take Action. São desde coisas simples como fechar a torneira enquanto lava a louça até comprar somente produtos colhidos o mais próximo possível da sua residência. Mas aí você me diz: "mas é muito mais caro!!!" Claro que sim! Exatamente porque o produtor local não tem as mesmas boiadas dos grandões que podem colocar seus preços lá no chão. Se todo mundo começar a comprar local, a demanda aumenta junto com a produção e o preço cai.
E aí? Vale ou não vale a pena fazer uma forcinha e começar a ser um "eco-chato júnior"?

Um comentário:

Lillizinha disse...

Ola
me responda uma coisa
como eh que vc provou dinheiro?? Vc mandou algum extrato bancario>??
Se mandou, vc mandou um extrato de quantos dias? tem como traduzir?
Obrigado